lambechop

Pelos vistos relançaram o Nixon (2000) dos Lambchop. Os Lambchop fazem parte de um meu passado com que convivo como se tivesse feito parte de uma lista do Miguel Relvas numa juventude social democrata aos 20 anos. Os Lambchop estão para mim como os The National estarão para a geração nascida nos anos 80 quando esta crescer e ganhar juízo. E naquela altura eu gastava dinheiro em discos e tudo. O amor era caro e demonstrava-se com euros. Ainda hoje os Lambchop gozam de elevado estatuto crítico. O editor senior da slate escreve:

Lambchop has been called “arguably the most consistently brilliant and unique American group to emerge during the 1990s.” Their music combines “classic country, R&B, and musique concrète with the heavily conceptual impulses of modern art,” and they have just put out their 11th studio album (to go along with compilations, EPs, and live recordings).

Não sei que drogas fumou, mas desconfio que nesta tal revista Slate há um gerador aleatório de resumos de bandas que foram a mais consistentemente brilhante e única dos anos [inserir época]. Em boa verdade, eles não são “maus”, se o objectivo for legalizar a eutanásia. Mesmo assim, existem algumas faixas boas, como a Grumpus do Nixon ou esta, que era e ainda é a minha preferida, a The Man Who Love Beer, até porque gosto bastante de cerveja, mais do que de música.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s