vento

Quem me chamou uma vez a atenção para isso pela primeira vez foi um brasileiro numa conversa em São Paulo: “estive em Lisboa duas vezes, nossa, muito vento…” Pela descrição dele, Lisboa era fustigada permanentemente por ventos ciclónicos. E é verdade, podia ser a windy city, especialmente nos meses de verão em que há mais vento. Nota-se a sério se tentarmos estar numa mesa de esplanada com merdas que possam levantar voo, como a conta ou um canto da toalha de papel. Imagino que o Porto seja igual, por estar numa situação geográfica semelhante, talvez pior até (neste particular). Conseguem imaginar o que é estar numa esplanada em que um papel em cima da mesa simplesmente não voa? Eu já experimentei isso uma vez, em Paris. Soube-me tão bem, mas na altura não percebi porquê.

Dá-se o caso de ter recomeçado a andar de bicicleta para o trabalho e nos últimos dias a viagem de volta é um autêntico martírio. Sinto-me num túnel de vento sempre que chego ao topo de uma avenida e tenho de ir duas ou três mudanças abaixo, lentamente. Pelo menos é arejada esta cidade e com ar do mar a maior parte das vezes. Um luxo. De manhã cedinho, parece que dormiu com as janelas abertas a noite toda. Ultimamente tenho vindo por caminhos diferentes para o trabalho. Ir a direito é commute rotineiro, mas basta improvisar um novo caminho todos os dias para ser um passeio.

Anúncios

One thought on “vento

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s