tatuagens, I has it (not)

Se algum dia fizesse uma tatuagem, teria de voar até Hong Kong e fazê-la no Tattoo Temple. Recomendo uma visita ao site para ver a que nível estético pode ir a arte da tatuagem. Aqui umas amostras…

tattootemple6

tattootempl4

tattootemple3

tattotemple2

tattootemple1

tattotemple

Penso que o lado estético da tatuagem perdura e perdurará. Hoje ter uma tatuagem é menos subversivo do que foi, mas desvalorizar as tatuagens per si porque todo o jogador de futebol e suburbano tem uma, como eu faço, não parece correto da minha parte. O problema talvez eja a originalidade, mais precisamente, a falta dela. E o pior é tatuagem mal feita. 9 em 10 tatuagens que vejo são imperfeitas. Fico mesmo com a ideia de que a execução do trabalho ficou abaixo do que estava idealizado, ou pelo artista, ou pelo cliente, especialmente em tudo o que se aventura demais, como aquelas realistas em tons de cinzento (ver o exemplo do leão acima). Não entendo essas escolhas em algo que é permanente… Se fizesse uma tatuagem com um artista, preocupava-me em conhecer o trabalho dele. Só confiaria num que tivesse feito algo semelhante ou com a mesma técnica e que eu achasse perfeito. Abaixo de perfeito, não queria saber de tatuagens. Acho que toda gente já pensou em fazer uma e pensou no que faria. Eu nunca cheguei a qualquer conclusão e o mais provável é nunca fazer nenhuma.

Anúncios

7 thoughts on “tatuagens, I has it (not)

  1. o meu problema com as tatuagens sempre foi perenidade, se aspecto físico com que nascemos é carregado por uma vida inteira e ninguém te olha de lado por teres os olhos tortos (espera, mau exemplo..) já uma tatuagem reflecte um raciocínio, e o nosso raciocínio muda connosco ao longo dos anos, mas as pessoas vão sempre olhar para a tua tatuagem com os mesmos olhos, para aquela mensagem que quiseste transmitir quando achavas que já sabias tudo o que havia para saber da vida. e há tatuagens que são como o facebook das pessoas, são espelhos para a bimbalhice intrínseca, mas no facebook dá para apagar mais ou menos.

    1. é verdade, é importante não fazê-las por impulso. Ou então… um dos meus melhores amigos tem 50 e poucos anos e fez há umas semanas a primeira tatuagem por impulso, um Pequeno Príncipe zombie, a cobrir-lhe o ombro e antebraço. Não perguntes.

  2. A ideia que podes fazer uma tatuagem deixou-me perturbado. Não se coaduna com a imagem que tenho de ti desde que comecei a ler-te, quando te revelavas pela pena de um urso felpudo com nome de navio encalhado. Estás arrumado na prateleira “beto das Av. Novas.” Tatuado ficas mais perto do indizível, do terrível José Luís Peixoto. Não. Não quero surpresas. Continua sem tatuagem.

  3. “Eu nunca cheguei a qualquer conclusão e o mais provável é nunca fazer nenhuma.” L. Bray sobre tatuagens.

    Ass. Jorge
    (pessoa que imita as pessoas irritantes que fazem comentários aos videos do youtube escrevendo o verbatim do que ouviram nos videos).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s