sobre o filho de Durão Barroso…

… sem pôr em causa  que neste país a cunha é um hábito cultural enraizado e sem pôr em causa que Durão Barroso tem péssima reputação por cá (e merecida, em minha opinião) e sem pôr em causa que foi uma péssima ideia o miúdo voltar para Portugal, é preciso ver que tem mestrado e doutoramento na London School of Economics que é uma referência na Europa. Os estágios naquelas consultoras ainda dou de barato, mas não é uma santanete ou aquele puto de 21 anos que foi ganhar uma batelada para ser “técnico informático” de já não sei que ministro ou os familiares todos de um autarca qualquer que parecem adereços de uma árvore de natal a enfeitar os organogramas das empresas públicas e municipais. Se foi justo ou não, não sei, mas as notícias nem abordam isso, nem fazem comparações com casos normais de concurso. Tenho um  amigo que também entrou no Banco de Portugal sem concurso, depois de um mestrado na mesma LSE e um doutoramento em Standford e posso garantir que não tem qualquer cunha nem connections. A LSE não é aquela coisa onde o Sócrates ou Passos estudam. E acho errado  e até um pouco assustador um puto ter um estigma em cima por causa do pai e presumir-se imediatamente que deve ser apedrejado nos social media sem qualquer cuidado para averiguar factos. Calma aí, pessoal.

Anúncios

6 thoughts on “sobre o filho de Durão Barroso…

  1. Sem desmerecer, o jovem doutorou-se em Direito (informação disponível na UCP), com a seguinte tese:

    Doutoramento em Direito (aprovado sem correcções) pela London School of Economics and Political Science (Fevereiro 2012)
    Título da tese: The Problems and the Controls of the New Administrative State of the European Union

    Se isto dá direito a acesso directo a um lugar no Banco de Portugal, sem passar por concurso, é outra questão.

  2. Lourenço,
    Acho bem que não queiras comparar LDB com Sócrates ou Passos. É um sistema de Castas. São de Castas diferentes. No mundo dos Crooners, não haveria vantagem em se pagar a Socrates ou Passos um doutoramento na LSE, ou um MBA em Barcelona, Fontaineblau, you name it.
    O que eu acho mal é que compares o teu amigo a LDB. Estás claramente a tirar mérito ao teu amigo.
    Sendo filho do Durão Barroso, é de se esperar que tenha tido formação nas melhores escolas europeias (se bem que o doutoramento foi financiado por uma bolsa da FCT- outra questão pertinente …). Algo que é natural e acessível para LDB, foi muito provavelmente de muito custo e sacrifício para o teu amigo.
    Não se podem logo à partida comparar.

    O BdP, no âmbito da sua autonomia, pode como qualquer empresa contratar alguém que enviou uma candidatura espontânea que na sua excelência e face a uma necessidade pontual da instituição se revelou um perfect match. Não o sendo minimamente, deverá fazer um concurso (interno) ou externo.
    Não querendo julgar a qualidade profissional de LDB, perfect match não é. Se houve necessidade imediata de o contratar, teria que ver com a calendarização apertada da implementação do SSM.

    A área de supervisão prudencial é uma das áreas que vai ser englobada pelo BCE no âmbito da Banking union em Novembro, naquilo que eles chamam de SSM. O BCE está desde há alguns meses freneticamente a contratar pessoas para esta área. Algum recrutamento é externo (podes aceder ao site e verificar) mas a maioria está a ser feita internamente nos quadros os bancos centrais. Estes estão mesmo a indicarem listas de trabalhadores locais que integrarão os quadros do BCE.

    Logo a menos que o plano de LDB não seja:
    -estar uns meses no BdP enquanto o Pai ainda está ligado à comissão e depois transitar (depois do nome Barroso deixar de se ouvir em Bruxelas) para um cargo grandito no BCE utilizando este canal de teleporte institucional, e assim proceder a uma lavagem de influência,dissipando a insinuação perante os Nórdicos quanto à transparência do recrutamento. Pois uma coisa é ele entrar directamente no BCE, vindo directo da academia, fresquinho do mundo, sem experiência profissional relevante na área financeira, com uma tese onde a palavra prudencial só aparece duas vezes pois denominam dois organismos legais da comissão, , mas que deu azo a que o BdP o considerasse perito e de curriculo excepcional para trabalhar nesta área tão premente, sendo filho de quem é, outra é ser funcionário de um banco central nem que seja por uns dias e migrar legalmente através de um quadro de implementação de uma plataforma no BCE.
    isto é mesmo muita coincidência.

    Há uns anos, uma sobrinha,da mulher de Strauss Kahn (não sei se posso nomeá-lo sem ser processada) foi aceite para um estágio de verão ao FMI. Toda a imprensa americana caiu em cima dele pois suspeitou-se de tráfego de influencia. O DSK revelou na altura não saber que a sobrinha se tinha inscrito no concurso de estágios de verão, e o departamento de RH da instituição afirmou em comunicado desconhecer o vínculo familiar (não tinha o mesmo apelido) da sobrinha ao director da instituição no momento da candidatura, cancelou a vaga de estágio atribuída, rementendo-a para um candidato suplente, e modificou o sistema de candidatura online colocando uma nova pergunta inquirindo o candidato sobre ligações familiares com algum funcionario da instituição no geral, e não em graus directos (não sei precisar os termos desta questão).

    Não acho mesquinho que se julgue a situação de LDB na praça publica.
    Pode ser injusto pois ele pode ser mesmo um excelente profissional naquela area. Mas são cargos publicos em que o arbitrio deve ser o mais justo para todos, e em que todos devemos ter as mesmas oportunidades.

    1. Ok, mas é esse tipo de reflexão e informação que não acompanha de todo as notícias. O teu comentário é mais elaborado que as peças jornalísticas que acompanhavam o texto e penso que a maior parte das pessoas que depois as propaga nos facebook até deseja que seja verdade, que seja cunha, etc. porque não gosta nada de durão barroso ou dos políticos em geral. Esta forma de reagir quase por reflexo, acho mal, especialmente nos casos em que alguém (neste caso o filho) pode sofrer por ser filho de quem é. Mal comparado e noutra escala, o meu pai era prof de matemática na escola em que eu estudava também. Os professores sabiam todos quem eu era. E eu tinha boas notas. Por vezes ouvia zuns zuns que tinha tratamento preferencial. Por outro lado, se tinha más notas ou me portava mal, o meu pai sabia em primeira mão. Também sentia do lado de cá o gozo, a chacota, o ódio a que são sujeitos os professores pelos alunos e sabia e ouvia que o meu pai era alvo desse tipo de coisas e não gostava etc. Enfim. Não discordo que acho péssima ideia o miúdo sequer vir para Portugal e logo para o BCE, mas a haver notícias sobre o tema, acho que deveriam ter uma análise qualquer e não atirar um facto para o ar, insinuando que houve favorecimento.

  3. Lourenço,
    O atirar para o ar de que houve favorecimento por parte das noticias, não veio das notícias. É do informador.
    Se ninguém soprasse ao Jnegocios que JDB tinha sido contratado sem concurso no BdP ninguém saberia. Muito menos a ideia de que a política que o BdP assumiu há uns meses era de que iriam ser extremamentes transparentes nas contratações e de que passaria a ser feitas por concurso.
    Esta info é interna e no meu ver foi feita para acalmar a turbulência que se tem sentido dentro do BdP perante as contratações e mexidas nas direcções escandalosas no BdP que ocorreram recentemente.
    Não quero falar muito disso, mas o caso do LDB não é o único, há casos bem mais gritantes. Não têm é o apelido do LDB.
    O informador lançou aquilo que lhe parecia um escândalo, não deu foi mais detalhes ao Negocios (para se defender julgo), que perante a informação que lhe deram publicou o que teve e pode, e de súbito teve sucesso mediático. Não precisou de fazer mais para isso. E os outros jornais (i.e. os estagiários que lá estão, pois os editores devem estar de férias) copiaram o que leram no negócios sem adicionar o que seja ao assunto.
    As redes sociais fizeram o que era expectável: alcool na fogueira e catanada a torto e direito.
    Coisa local, não chega nem nunca chegará aos ouvidos liberais dos países do Norte, e com sorte daqui a um ano contar-se-á o numero de portuguese que se lembrará disto no momento em que olhará para o boletim das eleições.
    nada que uma mobilização de opinião do partido com Marcelos à mistura, e comunicado do Banco para contra-argumentar não resolva.
    Quanto ao Gov do BdP, havendo mudança nas regras de nomeação do governador (como queria propor) : pelo Presidente da república em vez de concilio governamental, terá a recondução garantida caso o Durão seja eleito presidente.

    Isto tudo tem muito pouco a ver com o sentimento que referiste sentir como aluno de mérito/filho de alguém de destaque.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s