fome

Por entre Isaac Asimov, vou lendo o mais leve e portátil “O sentido do fim” de Julian Barnes. Não é mau. É muito bom. Mas ao mesmo tempo é daquela literatura que não é significativa. Podia não existir que a única coisa que não existia era o Julian Barnes e os seus livros. Felizmente, não pretende ser nada, é adulta, irónica, elegante, comovente, até lembra um pouco, acho eu, o Catcher in The Rye pelo menos na primeira parte, a adolescência, mas não tem o lado significativo deste, nem que seja por ser escrito agora e o outro há 300 mil anos. Eu gostava era de escrever uma coisa ao jeito do Fome do Knut Hamsun, mas precisava de uma boa miséria e não me posso dar esse luxo, tenho uma filha para nutrir e vestimentar e o equipamento de pesca não se compra sozinho.

Anúncios

3 thoughts on “fome

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s